quarta-feira, 11 de julho de 2007

Oitava...

Esse encontro de jipeiros me deu uma nova perspectiva sobre a vida. Sim, de levar as coisas mais no sorriso, ter menos medo diante do perigo... Inclusive, tive o brilhante impulso de querer parar de fumar. Não sei bem o que foi. Talvez de todo mundo dizer que sou bonita demais para ficar fumando, ou porque sou jovem e depois vou me ferrar cheia de doenças por causa do cigarro, ou talvez saiba lá... Alguma conversa espiritual durante meus sonhos! Desde Domingo, 22h, estou sem fumar, veremos até quando! Amanhã tem festa, muita bebida e muita fumaça, mas o principal não é ser radical, o importante é querer ir aos poucos deixando de lado algo que me prejudica, avançar, progredir, alcançar um objetivo difícil como é!
Vade mecum (em latim, vai comigo).


Então, o encontro teve início em Maricá e final em Impoã. 1ªCopa Carioca Off Road. Mas já estou querendo saber quando será o próximo encontro, quem sabe eu me torne uma navegadora (pessoa que fica de passageiro, com o mapa e as direções).
Sabe que esse momento onde me vejo diante de coisas novas, pessoas diferentes, me sinto introspectiva... mais reflexiva.
Esse fim de semana conheci um cara, que em menos de uma hora de conversa conseguiu destruir muitos conceitos por mim já formados, por anos... Estou meio perplexa com isso. Há quem diga que esse cara é um ótimo vendedor (hahaha convincente te faz comprar chupeta usada e rasgada). Mas, o incrível foi que ele provou estar falando com fundamento, com idéias totalmente diferentes das minhas, entende?
Não resisti, é claro, pedi o nome de autores que ele leu para eu poder ter uma base sobre o que é que esse cara está falando. Eu não li o que ele leu e talvez seja por isso que no primeiro papo poderia considerá-lo elitista... Mas não, não posso julgá-lo sem saber o que ele leu, sem saber as teorias e práticas que ele viveu...
Às vezes, temos pessoas assim do nosso lado, capazes de destruir nossas idéias, e construir novos ideais. Mais fortalecido e convincente. Menos sonhadores e discursados pelo outro.
Presto muita atenção nisso. Nessas pessoas que querem passar desapercebidas, no cantinho do bar, no fundo das bibliotecas, nas ilhas desertas... porque eu sei o quanto também sou assim!

5 comentários:

Helder Hortta disse...

Sair do cotidiano, fazer uma estrepolia, ter um exposição do fora. Sair do dentro. Isso é muito bom, traz mais experiências.

Caramba, "blues etilicos', demais, ja vieram algumas vezes por aqui em Garanhuns, terra do Presidente kkk

tb gosto do filme 'cinema , aspirinas e urubus', tenho gravado.

beijos

Cristina disse...

Oi amor. Q bom q encontrou alguém q mexeu com seus conceitos, afinal a mudança é sempre bem vinda. Radicalismo no conceito na verdade torna-se pré...conceito .bjão
te amo de montão.
mami

paidaju disse...

Veja seu e-mail.

Bejo!

un dress disse...

também eu.sou assim!

cá cheguei... li a tua experienciação.reflexão

parece muito bem... gostei.


:)

MM disse...

tá bem bonito esse blog hein? quer dizer q sua protagonista se chama Mariana? Pela parte que me toca, quero ler e dar pitacos,
beijos