segunda-feira, 30 de março de 2009

Umbral

Recipiente de mortos
Sangue vidro dentro
corpo de aborto
Esfaqueia a barriga
Retira resto de rosto
deformado
Banha de cima
Escorre do meio
Parte insana de tudo perdido
Desliza a porta
vê-se no box o corpo caído
chorando à memoria
Abraça o desconforto
Prende a loucura
de mais um filho
vísceras

8 comentários:

Claudio Nascimento disse...

Esse texto daria música...

Vanessa disse...

Nossa Carol, que inspiração...Gostei....

Fabiano Almeida disse...

Carol minha ... linda seu blog continua como sempre fenomenal....
to com muuitas suadades d vc...e de vc me corrigindo....te adoro
gata....
Continue sempre assim....BjUux

Paulo Tamburro disse...

CAROL, VOCÊ ME LEMBRA INVARIAVELMENTE O CANTOR NEIL SEDAKA E A MÚSICA DAQUELES TEMPOS "OH, CAROL". CONHECE?

Você descreve um aborto, assim eu entendí.

E já que entendí desta forma, deixe-me dar forma a minha revolta, espero que com conteúdo compatível.

Aborto, realmente é uma prática delituosa, desumana,assassina, irresponsável e chega as raízes da barbárie em pelo século XXI.

Respeitando aqueles permitidos por lei, todos os outros são condenáveis.

Neste espaço não caberia avançar sobre as razões da minha revolta, mais nos meus blogs de humor, tem meu e-mail e se você quisesse aprofundar este tema eu o faria.

O aborto transforma a mulher num gado de corte e a vida humana num vômito contrariado da natureza.

Veja no you tube, os clips dos abortos feitos em fetos de 4,5 ou mais meses.

Veja como eles lutam para não entrar naquele tubo assassino do aspirador da morte.

Desculpe, é revoltante!

Carol Bonando disse...

Ola, pessoas leitoras que eu adoro.
Raramente escrevo um comentário, mas é que o Paulo Tamburro me deixou com uma questão que há tempos eu penso... Aborto: sim ou nao?
Descrevi um aborto por tantas coisas, na maneira de abandonar muitos fatos, lembranças, pessoas, e inclusive, obviamente um filho rejeitado.
Fiz esta descrição porque antes eu tinha falado sobre dar a luz, de uma maneira sutil, no conto anterior.
Enfim, só dando continuidade a escrita, a minha maneira de expor o que penso sobre as coisas e expor também sobre aquilo que tenho dúvidas, como o aborto.
Não sei se sim, ou se não, sei que escrevi e gostei do que escrevi e por isso compartilhei com vocês.
Obrigada mais uma vez por visitarem meu blog, continuem vindo e debatendo aqui sobre tais contos.
Valeu pela companhia.

Guilherme disse...

Uau!!!

Só espero que não aborte de escrever no seu blog, pois é muito interessante.

manuel marques disse...

Quando se está preso, o pior é não poder fechar-se a porta !

abraços.

crisemocional disse...

Carol, acabei de dizer sobre seu blog pra um amigo. Nele enfatizei sobre sua sensibilidade em ser menina e mulher ao mesmo tempo. Continue escrevendo, fará bem a vc e a todos q vierem a ler. Bjs!te amo!