terça-feira, 12 de julho de 2011

Mistura danada


No início quando deitávamos no sofá para ver um filme, ele fazia cafuné e eu ficava inebriada com o toque de sua mão grossa. Os dedos nem tão compridos, mas gordinhos de pontas redondas e as unhas bem cortadas por causa do violão. Depois veio a fase das pizzas, sentados ao chão com vinho tinto a mesa, transávamos na cama de maneira calma, meio tímida até, e dormíamos. Nos finais de semana nos esgotávamos de passear pela cidade de moto, sentindo o vento no rosto, eu abraçava seu corpo de maneira amável e de vez em quando fazia massagem em seu trapézio, ele se esticava ereto e ria contente e agradecido. Durante a semana conversávamos sobre nós e nossas experiências pela internet, e falávamos ao telefone uma vez por dia, para pelo menos desejar boa noite, durma com os anjos, querida. Em seguida, o beijo parecia nunca ter sido intenso, não havia abraços e rodadas no ar, telefone só servia para mensagens com horários de plantões no final de semana, as viagens pareciam cada vez mais vazias. Um grito ecoou no meu ouvido vindo do corredor analfabeto. Segui calada até outro portão aberto e nele entrei sem saber se sairia. Olhando da janela viciada, um cristo de longe acenava de braços abertos, ele sorria. Percorrendo minhas lembranças, imaginei que o beijo desaparecido me aparecia. Na verdade dois dias de insônia agora me fazem lacrimejar a ferida. Não consegui te fazer meu amado, porque amor você não me ofereceu. Sinto muito se no final foi assim, não consigo pedir para que divida comigo sua liberdade conquistada e não consigo mais imaginar meu futuro liberto, com você como seria.

12 comentários:

crisemocional disse...

Como sempre, mto bom de ler ....

Jordan Barcellos disse...

Adorei!
você arrasa, menina!

LATAN disse...

Q gostoso viajar com sua imaginação, adoro me embalar em seus contos... Bjos

Fernanda Cantarino disse...

Muuuuuuuuito bom, Carol!!!

A Dama das Mil e Uma Rosas disse...

Ô minha flor, acredito q todos nós passamos por isso em algum momento das nossas vidas (estou me referindo ao comentário deixado no Livro dos Leigos).Eu mesmo vivi isso recentimente, e não nego a vc dá uma raiva danada, mas enfim logo logo isso passa.
Um xeru florzinha.
Vc ainda vai enfeitar outro jardim. Acredite!

Bel Faria disse...

Carol! Sempre bom passar por aqui! Escreve de uma forma muito intensa, é gostoso de ler! Parabéns! <3

bruno nobru disse...

sinto intensa essa liberdade para viver uma emoção e deixar ela fluir seja como for.. numa a caminhada onde ela passa e segue, livre

manuel marques disse...

Esta mistura está explosiva,muito bom.

Beijo.

mfc disse...

De repente, quando tudo parece dar certo, há uma alteração de humores, de disposições, de estados de alma que faz com que tudo se desmorone!
Mas amanhã vai estar um lindo dia de sol...

C Valente disse...

Boa prosa, poderia ser o inicio de um livro
saudações amigas e bom fim de semana

Mara Virginia disse...

Parabéns, adorei o blog, vou add e ler com calma seus textos e obrigada por visitar o Desmontando Texto e comentar porque só assim eu conheci esta página maravilhosa.

bjos fraternos


Mara

Mara Virginia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.